Boletim eletrônico Nº 715 - Ano XV - 16 a 23 de novembro de 2018

---

Museu da República celebra 58 anos de abertura ao público

Design sem nome

O Museu da República, no Rio de Janeiro (RJ), completou nesta quinta-feira (15) seus 58 anos de abertura ao público. Vinculado ao Ibram, um dos museus históricos mais importantes do Brasil celebrou a data com programação especial que incluiu apresentações musicais e inauguração de duas exposições temporárias.

Com entrada franca durante todo o dia, a programação teve início às 10h com apresentação de Coral Comemorativo, seguida de edição do projeto Música no Museu, às 12h30, com Festival Internacional de Sopros; e roda de choro no final da tarde com o grupo Arruma o Coreto, patrimônio imaterial cultural do Rio de Janeiro.

O museu também inaugurou em seu aniversário duas exposições temporárias produzidas por estudantes. Coletiva de alunos do Colégio Estadual Amaro Cavalcanti, “Escola e Museu: Construindo Sentidos" convida ao público a uma reflexão interdisciplinar sobre memória e direitos a partir de objetos pessoais dos alunos, exibidos no Palácio do Catete. Já “A primavera brasileira: o povo na constituição", concebida pelos alunos do Colégio Pedro II e exposta no jardim histórico do museu, traz banners sobre a história da Assembleia Nacional Constituinte de 1987-1988.

Situado no Palácio do Catete – antiga residência dos aristocratas Barão e Baronesa de Nova Friburgo que, a partir de 1887, tornou-se a sede do poder executivo brasileiro e residência oficial da Presidência da República – o Museu da República foi criado em 1960 com a transferência da capital federal para Brasília (DF) e abriu as portas naquele mesmo ano na data da Proclamação da República.

Museu contemporâneo

Dedicado à preservação, pesquisa e comunicação do patrimônio cultural republicano sob sua guarda, o museu conta desde abril deste ano com nova gestão, tendo à frente o museólogo, professor e poeta Mário de Souza Chagas – que tem apostado na reconfiguração da relação do museu com a comunidade, no diálogo estreito com universidades e na realização de parcerias.

A realização de reuniões para ouvir as demandas da comunidade do entorno do museu; a efervescente ocupação do jardim do Palácio do Catete, com realização de feiras, serestas e outras atividades; e a promoção de atividades voltadas à cidadania, como a Copa dos Refugiados, são algumas das marcas simbólicas do momento atual da instituição.

“Estamos assumindo o Museu da República como um museu contemporâneo, conectado com o seu tempo, que aborda questões históricas mas em conexão com o hoje”, explica Mário Chagas.

O diretor da instituição também cita como marco de 2018 a reabertura do terceiro andar do palácio, fechado em 2015 após o desprendimento de parte do forro de estuque de seu teto, restaurado este ano através de parceria. A regularização de obras pertencentes a outras instituições que integram o acervo do Museu da República também é uma ação em andamento, a exemplo da recente aquisição de quadro do pintor alemão Emil Bauch.

Além das duas exposições inauguradas, seguem em cartaz as exposições temporárias "Museu Nacional Vive”, com charges, fotografias e desenhos do artista Carlos Latuff que perpassam sua trajetória, de criança a adulto, como visitante do Museu Nacional; e "Fora/Dentro", que traz uma mostra da vasta obra de Raul Mourão, que inclui esculturas, objetos, fotografias, vídeos e outras formatos inspirados na cidade e na vida urbana.
Saiba mais sobre o Museu da República.

---

Paisagens históricas são tema da nova exposição em São João del-Rei

espaco percebido

O Museu Regional de São João del-Rei recebe, a partir de 22 de novembro, a exposição "Espaço Percebido", criada pelo artista plástico José Rômulo Chaves. A mostra apresenta cerca de 12 obras em óleo e acrílico pintadas sobre tela e madeira.

Os quadros são representações das cidades de São João del-Rei, Tiradentes e São Paulo durante o século 19. Em telas que chegam a um metro de comprimento, o artista buscou expressar sua vivência com as paisagens naturais e suas experiências com as regiões urbanas.

Nascido em Coronel Xavier Chaves em 1966, Rômulo começou a pintar há 33 anos. Aluno de Luciano Maurício e João Quáglia, o artista fez sua primeira exposição ainda em 1987 e, desde então, já participou de sete mostras coletivas - com destaque para a Bienal Têxtil da Lituânia, em 2007. No início de 2018, realizou sua primeira exposição individual no Memorial Dom Lucas, em São João del-Rei.

A exposição "Espaço Percebido" fica em cartaz na sala de exposições temporárias do Museu Regional de São João del-Rei (MG) até o dia 6 de janeiro de 2019.

---

Seminário no MNBA debaterá relações raciais nas artes visuais

Modesto-Brocos-Santiago-de-Compostela-1895

Em cartaz no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), no Rio de Janeiro (RJ), deste maio passado – quando se completaram 130 anos de assinatura da Lei Áurea, que extinguiu a escravidão no Brasil – a exposição “Das Galés às Galerias: representações e protagonismos do negro no acervo do MNBA” terá como evento paralelo, na próxima semana, seminário sobre a temática.

Promovido nos próximos dias 22 e 23 como parte da programação especial para o Mês da Consciência Negra, o Seminário Das Galés às Galerias: Reflexões sobre as relações raciais nas artes visuais debaterá em três mesas redondas, com a participação de conferencistas convidados, os temas “O lugar do negro no Brasil Colônia e Império”, “O lugar do negro no século XX: Estado Novo, Samba e Carnaval” e “Olhares e protagonismos e representações do negro”.

A programação será aberta na próxima quinta-feira (22) às 11h e a primeira mesa acontece no mesmo dia a partir das 14h30. Na sexta-feira, as mesas acontecem às 9h30 e às 14h30; a programação do dia inclui visita mediada à exposição em cartaz. A inscrição para o seminário é gratuita e haverá emissão de certificado. Confira a programação completa.

A exposição - “Das Galés às Galerias: representações e protagonismos do negro no acervo do MNBA” apresenta ao público cerca de 80 obras inseridas no contexto de épocas específicas, dispostas num fio condutor que perpassa o período colonial, o Brasil do Estado Novo e o Brasil atual. No percurso, são apresentadas as múltiplas interpretações do negro e do legado afro-brasileiro em diferentes períodos históricos.

Da escravização à ideologia do “branqueamento” – tese racista, defendida pelas elites, segundo a qual, através da imigração europeia e da mestiçagem, o Brasil em 100 anos se tornaria uma nação majoritariamente branca e apta a integrar o grupo das nações civilizadas – passando pelo mito da democracia racial, a exposição revela como os discursos sobre raça tomaram formas diferentes ao longo da história brasileira.

Em paralelo à exposição, MNBA já promoveu uma série de oficinas criativas em torno do assunto, abertas ao público.

---

Ibram disponibiliza publicação sobre realização de exposições

Planejamento e Realizacao de Exposicoes

O Instituto Brasileiro de Museus – Ibram disponibilizou nesta quarta-feira (14) a publicação eletrônica Cadernos Museológicos: Planejamento e Realização de Exposições. Escrita pela museóloga Maria Ignez Mantovani Franco, o livro tem como objetivo auxiliar dirigentes e técnicos de museus e outros profissionais que atuam na área de organização de exposições.

Além de aspectos conceituais ligados à organização, planejamento e realização de exposições a publicação trata de temas como curadoria, expografia, educação, segurança, acessibilidade, comunicação, mídias sociais, avaliação e gestão, além de informações e procedimentos característicos do controle técnico de coleções patrimoniais, abrangendo aspectos de documentação e negociação de empréstimos de obras, recomendações de conservação preventiva, condições de seguro de bens musealizados, modelos de embalagem, características de transporte, estratégias e logística de deslocamentos nacionais e internacionais, assim como questões de segurança atinentes a operações e acervos envolvidos.

A publicação Planejamento e Realização de Exposições é o terceiro volume da Coleção Cadernos Museológicos, que visa disponibilizar conhecimentos técnico-científicos voltados para os profissionais do campo museológico brasileiro. Os outros dois volumes da Coleção, Acessibilidade a Museus e Segurança em Museus, também estão disponíveis para download gratuito no site do Ibram.

Sobre a autora

Maria Ignez Mantovani Franco é fundadora da empresa Expomus – Exposições, Museus e Projetos Culturais e já atuou em cerca de 250 projetos de exposições nacionais e internacionais.Foi vice-presidente e representante para a América Latina do Comitê Internacional de Museus de Cidade (Camoc) do International Council of Museums (Icom), diretora do Icom Brasil.

---

Museu mineiro lança cartilha sobre acessibilidade em museus

Miriam

O Museu das Minas e do Metal, em Belo Horizonte (MG), lançou cartilha online sobre acessibilidade em museus. Voltada a profissionais da área, a publicação gratuita tem como objetivo auxiliar museus e centros culturais a desenvolver exposições acessíveis e inclusivas.

O material é resultado do projeto Pedras Sabidas, elaborado em parceria com o Curso de Museologia da UFMG, que criou um circuito acessível de expositores interativos no museu. O projeto foi um dos premiados no 7º Prêmio de Educação e Museus, promovido pelo Programa Ibermuseus.

A ideia é que outros museus brasileiros possam replicar os conhecimentos gerados pelo projeto sobre acessibilidade e tecnologia. Além de orientações teóricas e práticas, a cartilha traz ainda referências, publicações, leis e links sobre acessibilidade e museus. Acesse aqui.

 

Agendas

Coleções em diálogo: Museu Histórico Nacional e Pinacoteca de São Paulo

O quê: Com curadoria de Valéria Piccoli, curadora-chefe da Pinacoteca, e Paulo Knauss, diretor do Museu Histórico Nacional (Rio de Janeiro), a coletiva apresenta uma seleção de obras dos dois museus, incluindo telas em grande formato, inéditas ou pouco vistas pelo público geral, como parte do programa desenvolvido pela Pinacoteca que propõe criar novas interpretações sobre as coleções das instituições, ao contrapor obras de seus acervos.
Quando: De 6/10 de 2018 a 28/1 de 2019. Quarta a segunda, das 10h às 17h30 – com permanência até as 18h. Ingressos: R$ 6. Aos sábados, a entrada é gratuita para todos.
Onde: Pinacoteca de São Paulo (Praça da Luz, 2 | São Paulo - SP)
Informações: pinacoteca.org.br

---

Pierre Verger

O quê: Exposição sobre o fotógrafo, etnólogo e antropólogo francês Pierre Verger (1902-1996), que transformou seu trabalho em um grande panorama dos cinco continentes, incluindo o Brasil, onde realizou uma profunda pesquisa. A mostra apresenta 150 obras que retratam diferentes fases do seu trabalho pelo mundo.
Quando: De 27/9 a 10/3 de 2019. Terça a domingo, das 10h às 18h.Quartas gratuitas, das 10h às 18h.
Onde: Museu Oscar Niemeyer (Rua Marechal Hermes, 999 | Curitiba – RJ)
Informações: www.museuoscarniemeyer.org.br

---

Ocupação Ilê Aiyê

O quê: A exposição homenageia a trajetória do bloco Ilê Aiyê, fundado no dia 1º de novembro de 1974 em Salvador (BA) e composto exclusivamente de pessoas negras. Mostra é dividida em quatro eixos principais, que contam a história do primeiro bloco afro do Brasil, de seu surgimento até sua expansão e atuação para além do carnaval.
Quando: De 4/10 de 2018 a 6/1 de de 2019. Terça a sexta, das 9h às 20h; sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h. Entrada gratuita.
Onde: Itaú Cultural (Av. Paulista, 149 | São Paulo – SP)
Informações: (11) 2168 1777 | www.itaucultural.org.br

 

Cursos e oficinas

Seminário Acervos em Rede

O quê: Com o tema "tendências e práticas na gestão de acervos digitais", evento será destinado a profissionais das áreas de museologia e da ciência da informação, em especial aqueles ligados a projetos de documentação de acervos e de produção de estratégias de digitalização e socialização em rede. A programação inclui apresentação de panorama dos acervos digitais no Brasil, pesquisas, experiências e oficinas técnicas.
Quando: De 27 a 29/11. Inscrições até 16/11.
Onde: Museu do Índio (Rua das Palmeiras, 55 - Botafogo | Rio de Janeiro - RJ)
Informações: http://bit.do/eAReY

---

Preservação da Memória Institucional - Perspectivas e Interdisciplinaridades

O quê: O seminário reunirá gestores e especialistas do poder legislativo e de diversas instituições públicas brasileiras custodiantes de bens culturais (tais como bibliotecas, arquivos e museus), de forma a abrir canais de discussão técnica e científica sobre a preservação, o acesso e a fruição da memória institucional, em especial, da memória legislativa.
Quando: De 19 a 23/11, das 9h às 17h30.
Onde: Câmara dos Deputados (Palácio do Congresso Nacional - Praça dos Três Poderes | Brasília - DF)
Informações: www.camara.leg.br/eventos-divulgacao/evento?id=57096

---

XII Encontro Brasileiro de Palácios, Museus-Casas e Casas Históricas

O quê: Com o tema "Coleções em Destaque", o evento propõe o debate dos processos de transformação dos palácios e casas históricas em museus com foco nos acervos, suas tipologias e os desafios de sua preservação.
Quando: Dias 22 e 23/11. Inscrições gratuitas até 14/11 (site abaixo).
Onde: Palácio dos Bandeirantes e Fundação Ema Klabin (São Paulo - SP) e Palácio Boa Vista (Campos do Jordão - SP)
Informações: http://bit.do/eAiW4

---

I Encontro de Pesquisa em Museus e Museologia da USP

O quê: Promovido pelo Programa de Pós-graduação em Museologia da USP (PPGMus-USP), o evento contará com palestras de professores de diversos cursos de museologia brasileiros e apresentações de trabalhos de estudantes de nível técnico, graduação e pós-graduação, além de visitas técnicas ao Museu de Arte Contemporânea, Museu de Arqueologia e Etnologia, Museu Paulista e Museu de Zoologia, instituições que integram a Universidade de São Paulo.
Quando: De 3 a 6/12. Inscrições até 23/11 (Valor: R$ 30)
Onde: Museu Paulista e Museu de Zoologia da USP (Ipiranga | São Paulo - SP)
Informações: www.facebook.com/epmm.usp | https://bit.ly/2CxubJT

---

Seminário Antropologia e Museus: os desafios do contemporâneo

O quê: Promovido numa parceria entre o Ibram, o ICOM Brasil e o Curso de Museologia da Universidade de Brasília (UnB), o evento destina-se a reunir antropólogos, museólogos e interessados no tema da relação entre Antropologia e Museus, particularmente refletindo sobre novas práticas dos museus etnográficos no contemporâneo e sobre o campo da Antropologia dos Museus, que tangencia os cursos de Antropologia e de Museologia.
Quando: De 7 a 9/12. Inscrições gratuitas via e-mail até 20/11 (ver abaixo).
Onde: Instituto de Ciências Sociais - Universidade de Brasília (Campus Darcy Ribeiro - Asa Norte | Brasília - DF)
Informações: https://bit.ly/2JRHwyq| pre31rbaantropologiamuseus@gmail.com