Boletim eletrônico Nº 735 - Ano XVI - 17 a 24 de maio de 2019

---

Ibram e Museu Nacional assinam Protocolo para cooperação técnica

Paulo Amaral e Alexander Kellner

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus – Ibram, Paulo Amaral, e o diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner, assinaram o Protocolo de Intenções entre Ibram e Museu Nacional, na terça-feira (14), em cerimônia realizada no Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro.

O propósito do Protocolo de Intenções é promover a cooperação técnico-científica e cultural entre as duas instituições, através da interação entre seu quadro funcional, em iniciativas de cooperação e intercâmbio de conhecimentos, informações e experiências para a Elaboração do Plano Museológico do Museu Nacional.

O Ibram prestará de assessoria técnica nas ações que envolvam a reconstrução institucional do museu, inventários, elaboração de plano museológico, sistematização de política de acervo, registro do museu, etc, além de auxiliar o Museu Nacional na concepção, planejamento e gestão de exposições e mostras de curta duração, na articulação de parcerias com instituições afins visando aperfeiçoamento técnico e na formulação e execução de políticas públicas no campo dos museus, em especial aos de história natural e antropologia.

O Ibram vem acompanhando e prestando assessoria técnica à equipe técnica e de resgate do Museu Nacional, tendo em vista seu compromisso com a Política Nacional de Museus e a expertise na gestão do Programa de Gestão de Riscos ao Patrimônio Musealizado.

Seminário Internacional ‘Patrimônio em chamas: quem é o próximo?’

Programado para o período de 26 a 28 de junho, o Seminário Internacional ‘Patrimônio em chamas: quem é o próximo? – Gestão de riscos de incêndio para o Patrimônio Cultural’ tratará sobre o uso de novas tecnologias de segurança contra incêndios em organizações de patrimônio e sobre o papel dos tomadores de decisão em estimular uma cultura de prevenção.

Lá serão discutidas as estatísticas de incêndios e suas implicações para a tomada de decisões eficazes, experiências de diferentes países e contextos na gestão de riscos de incêndio e medidas avançadas de segurança contra incêndios para aplicação no patrimônio cultural.

O Seminário Internacional ‘Patrimônio em chamas: quem é o próximo?’ será realizado no Museu Histórico Nacional/Ibram (RJ) e organizado pelo Ibram, ICOM Brasil, ICCROM, em parceria com o British Council, Museu Nacional e o Iphan. Interessados em participar do evento podem fazer suas inscrições aqui.

---

Museu Regional de Caeté reabre suas portas após 6 anos fechado

Museu Regional de Caete_baixa resolucao

O Museu Regional de Caeté/Ibram reabrirá ao público após seis anos fechado para visitação. A reabertura do Museu ocorrerá no dia 18 de maio às 14h30, em um evento público. A cerimônia de abertura faz parte da programação da 17ª Semana Nacional de Museus e coincidirá com o Dia Internacional dos museus, data em que museus do mundo inteiro celebram e promovem diversas atividades.

Em outubro 2012, o Museu Regional de Caeté teve que ser fechado para visitação do seu prédio principal devido a problemas estruturais. Após passar por uma intervenção emergencial em 2013/2014, as obras de restauração integral iniciaram-se em 2016, e foram custeadas pelo Fundo Nacional da Cultura, com um valor aproximado de 2 milhões e 700 mil Reais.

As obras de requalificação do Museu contemplaram tanto a restauração integral do sobrado quanto das áreas anexas, dotando o museu de uma reserva técnica, projeto de prevenção e combate a incêndio, equipamentos de Circuito Fechado de TV, alarme e proteção contra descargas elétricas, além da instalação de um elevador, para atender pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida.

O edifício que o Museu Regional de Caeté está abrigado é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional – Iphan. Trata-se de um belo sobrado de dois pavimentos construído em fins do século XVIII, valorizado pela presença de casas térreas vizinhas e pelos afastamentos laterais, que lhe conferem grande imponência. A sua exposição, que foi toda modernizada para reabertura, conta a história de formação da região de Caeté, passando pela religiosidade da região e ambientações do modo de vida dos séculos XVIII e XIX. O grande destaque da exposição está na montagem quase completa da capela de São Manoel do Peti, cujo prédio foi inundado por barragem da Cemig na década de 1940.

O Museu Regional de Caeté fica na Rua Doutor Israel Pinheiro, 176, no Centro do município de Caeté, região metropolitana de Belo Horizonte (MG).

---

Museu do Diamante e Museu Victor Meirelles disponibilizam seus acervos na web, com a plataforma Tainacan

Tainacan MVM e Diamante

Dois museus da rede Ibram disponibilizam online seus acervos museológicos na plataforma Tainacan, são eles o Museu do Diamante, em Minas Gerais, e o Museu Victor Meirelles, em Santa Catarina.

Do acervo do Museu do Diamante, estão disponíveis 130 objetos. São obras relacionadas à exploração do diamante, arte sacra, mobiliário, instrumentos musicais, dentre outras, que refletem a temática do Museu e estão, em sua maioria, no circuito expositivo.

O Museu do Diamante possui 1.677 peças catalogadas e 806 fotografias de ruas, casas, monumentos, de personalidades de Diamantina e sobre mineração e garimpo na região, totalizando 2.485 bens culturais. Muitos objetos estão em reserva técnica e em processo de pesquisa de procedência. A medida que estas pesquisas obtiverem mais informações, novas peças serão incluídas na plataforma.

Em 2018, o Museu do Diamante contratou serviços especializados para o registro fotográfico do seu acervo, para a criação de um banco de imagens em alta resolução. Essa ação foi fundamental para que a disponibilização do acervo através do Tainacan tivesse maior êxito.

No final daquele mesmo ano, o Museu realizou uma parceria com o Centro de Conservação e Restauração de Bens Culturais da Escola de Belas Artes da UFMG, que viabilizou a higienização de uma parte expressiva de objetos do acervo. Essa ação possibilitou que os objetos estivessem em melhor estado de conservação para registro das imagens.

A administradora, Juliane Nicolle Câmara, que coordenou a implantação da plataforma Tainacan no Museu do Diamante, comentou que a expectativa da equipe é promover uma maior fruição entre o público e a instituição, e que isso mobilize os visitantes para conhecer o Museu de perto.

Museu Victor Meirelles

O Museu Victor Meirelles (MVM) disponibilizou todo o seu acervo museológico, totalizando 235 itens, que estão divididos em duas coleções: a Coleção Victor Meirelles e a Coleção XX e XXI.

O Museu já possuía imagens com boa resolução de grande parte do acervo, capturadas em outros momentos, seja por contratação de empresa terceirizada, seja realizadas pela própria equipe do Museu. Recentemente o Museu Victor Meirelles adquiriu uma câmera fotográfica profissional e, com ela, foram captadas as fotografias das novas aquisições.

Para o museólogo do MVM, Rafael Muniz de Moura, a ferramenta tem uma ótima interface de pesquisa e um uso administrativo prático e intuitivo, o que vai facilitar o acesso à informação sobre o patrimônio preservado pelo Museu e atende à necessidade de publicização da documentação relativa ao seu acervo museológico.

---

Museu do Ouro comemora seus 73 anos com lançamento de site e acervo online

Pagina Acervo Museologico do Site Museu do Ouro1

Na quinta-feira (16), o Museu do Ouro completou 73 anos de portas abertas ao público e, como parte das comemorações, lançará no sábado (18) seu site institucional onde também estará disponível o acesso online ao acervo do museu, por meio da ferramenta Tainacan.  Inicialmente, a plataforma disponibilizará 50 itens, mas a intenção é que muito em breve todo o acervo possa ser consultado online.

“O objetivo é criar mais um meio de comunicação com o público, divulgando nossas ações e tornando o Museu mais acessível, não só para aqueles que vierem nos visitar fisicamente, mas também disponibilizando informações do nosso acervo museológico através da internet. Isso facilita a troca com outras instituições de memória e estimula o interesse em temas afins às nossas coleções”, declarou o diretor do Museu do Ouro, Paulo Nascimento.

Instalado na antiga Casa de Intendência e Fundição do Ouro da Vila Real de Nossa Senhora da Conceição do Sabará, o Museu do Ouro foi criado em 1945, por meio do Decreto n° 7.483 e oficialmente inaugurado no dia 16 de maio de 1946. A instituição ocupa uma área total de 1.456 m², sendo 714 m² de área edificada. O acervo é constituído por objetos ligados à prática da mineração (séculos XVIII e XIX) e ao estilo de vida de parcela da sociedade deste período.

O Museu do Ouro possui ainda um arquivo histórico e uma biblioteca, localizados na Casa Borba Gato, edificação do século XVIII. O Arquivo Histórico Documental do museu começou a ser constituído em meados da década de 50 do século XX e compõe-se de documentação cartorial originada no século XVIII, nas Ouvidorias e Provedorias dos Cartórios do Primeiro e Segundo Ofícios da outrora comarca do Rio das Velhas. A Biblioteca possui cerca de 3.000 títulos registrados, entre os quais se encontram obras referentes à formação do Estado de Minas Gerais e do Brasil, arquitetura, história da arte, incluindo valiosa coleção de obras raras com edições que datam do século XVIII.

O Museu do Ouro/Ibram fica na Rua da Intendência, s/nº, no Centro de Sabará, município da região metropolitana de Belo Horizonte (MG) e está aberto ao público de terça a sexta, das 10h às 17h; aos sábados e domingos, das 12h às 17h. Informações pelo e-mail: mdo@museus.gov.br ou pelo telefone (31) 3671-1848 ou (31) 3671-4099.

---

Museu Nacional de Belas Artes recebe instalação olfativa, de Josely Carvalho

MNBA DIARIO DE CHEIROS _AFECTIO

O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram) inaugura nesta sexta-feira (17), às 18 horas, a exposição individual “Diário de Cheiros: Affectio”, da artista brasileira, radicada em Nova York, Josely Carvalho. A mostra faz parte do projeto de acessibilidade e inclusão de novos públicos intitulado “Ver e Sentir”, trazendo a público a instalação visual, olfativa e tátil “Affectio”, exibida em diferentes espaços do museu.

A instalação “Affectio” é construída por seis mesas de aço corten com ânforas olfativas feitas em vidro soprado, técnica que a artista abraçou desde 2016 e que continua a desenvolver nos estúdios do Urban Glass, em Nova York. Cada ânfora recebe o nome do cheiro criado por Josely com o apoio da Givaudan do Brasil e da empresa Ananse. São eles: “Pimenta”, “Lacrimæ”, “Barricada”, “Anoxia”, “Poeira” e “Dama da Noite”. Este último, contudo, ganha uma sala especial no MNBA, na cor tonalidade carmim que, segundo a artista, remete à sensibilidade, à potência e força feminina, entendidas aqui como possível opção de mediação de conflitos.

A mostra é um desdobramento de “Teto de Vidro: Resiliência”, que foi exibida no ano passado no Museu de Arte Contemporânea – MAC USP e concorre, junto de outros cinco projetos, ao The Art and Olfaction Awards 2019, premiação internacional que celebra e premia artistas e perfumistas experimentais e independentes.

A exposição fica em cartaz até o dia 29 de setembro de 2019. O Museu Nacional de Belas Artes fica na Avenida Rio Branco, 199 – Cinelândia, no Rio de Janeiro. Saiba mais.

Sobre a artista

Brasileira, Josely Carvalho vive e trabalha em Nova York e no Rio de Janeiro. Produz pinturas, Besculturas e livros de artista, gravura, vídeo, som, instalações e, desde 2009, dedica-se também à produção de cheiros conceituais. Suas instalações incorporam uma variedade de tecnologias e técnicas na construção de ambientes digitais e físicos, ao passo que seu trabalho de “web concept” (www.bookofroofs.com) usa som, texto e imagens em um ambiente virtual, narrando perspectivas sobre o conceito de abrigo.

Uma das artistas convidadas a participar da exposição itinerante internacional “Radical Women – Latin American Art 1960-1985”, organizada pelo Hammer Museum, Los Angeles (EUA). Já expôs seus trabalhos em instituições como Brooklyn Museum, MoMA, MASP, MAC USP, Museo del Barrio (NYC), Casa de las Américas (Havana, Cuba), Museo de Bellas Artes (Caracas, Venezuela), e Pinacoteca de São Paulo, entre outros. No início de maio, foi indicada ao 6º Art and Olfaction / Sadakichi Award for Experimental Artwork with Scent, premiação internacional voltado a artistas de várias disciplinas que inserem o olfato em suas obras, em Amsterdam.

---

Museu das Missões apresenta o espetáculo 'Som e Luz em Corpos'

SOM E LUZ EM CORPOS

Nos dias 17, 18 e 19 de maio, o Museu das Missões/Ibram oferece ao público o espetáculo Som e Luz em Corpos. O espetáculo consiste na apresentação de coreografia para o texto e a música do tradicional espetáculo Som e Luz, com bailarinos intervindo no cenário natural do sítio histórico (IPHAN) onde situa-se o Museu das Missões.

Segundo o diretor da obra, Prof. Dr. Odailso Berté, os movimentos das imagens missioneiras em madeira policromada sob a guarda do museu serviram de material de estudo e pesquisa durante o processo criativo da coreografia.

O projeto é coordenado pela Prefeitura de São Miguel das Missões. O museu participa do projeto através do texto sobre a história da unidade e seu acervo de esculturas, que deverá ser publicado em cartilha educativa sobre o espetáculo pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Sobre o Projeto

Criado em 2005 pelo professor do Curso de Dança da UFSM, Odailso Berté, junto à extinta Cia Sarx de Teatro-dança, de Santo Ângelo, permaneceu em cartaz, no Sítio Arqueológico de São Miguel, até o ano de 2009.

Recentemente, através do Projeto de Extensão "De Terra Seus Corpos", coordenado pela professora Mônica Corrêa de Borba Barboza, e de um convênio entre o Curso de Dança-Licenciatura da UFSM e a Prefeitura Municipal de São Miguel das Missões, o projeto do Som e Luz em Corpos foi retomado.

Odailso Berté é o diretor geral dessa nova montagem. Os professores Mônica Borba e Crystian Castro, docentes dos Cursos de Dança da UFSM, são os diretores artísticos e criadores da nova coreografia. Estudantes dos cursos de Dança da UFSM farão parte do corpo de baile do espetáculo, além de participarem dos processos criativos e pedagógicos que conectam dança, educação e história.

---

Museu Regional de São João del Rei lança livro com temática indígena

MRSJR-17SNM

O Museu Regional de São João del-Rei (MRSJR/Ibram) lançou na noite da quarta-feira (15), o livro “Será que tem Indígena Aqui?”, produzido pela equipe do Museu. Além do lançamento oficial, a publicação foi apresentada numa palestra para os alunos, professores e funcionários da Escola Estadual Evandro Ávila no dia 14, com a presença de uma das autoras do livro, a Professora Paolla Andrade, e no dia 17, na Escola Estadual Iago Pimentel, com a também autora, Bruna Lacerda, que falou sobre cultura indígena e o processo de produção do livro.

Entre as atividades programadas para a 17ª Semana Nacional, o MRSJR promoveu na manhã de segunda-feira (13) uma expedição do Regional às pinturas rupestres da Serra do Lenheiro, com a mediação do guia de turismo Luiz Miranda e realizou na quinta-feira (16), às 19h, o Seminário “Existimos: Resistimos”, no Campus Tancredo Neves da Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ).

Segundo o diretor substituto do Museu Regional, Diego Felipe Garcia, a instituição buscou no passado um modo de preservar as tradições no amanhã. “O melhor modo de pensar o futuro das tradições é buscando entender o seu passado e como ela ainda se mantém no presente”, comenta.

Sobre o Museu

O Museu Regional de São João del Rei é a antiga casa do Comendador João Antonio da Silva Mourão, homem de prestígio na época do Segundo Império. O prédio, um dos mais sofisticados do período, está voltado para a principal entrada da cidade, foi tombado em 1946 e aberto à visitação, já como museu, em 1963. Seu acervo foi constituído, em sua maior parte, de peças de mobiliário, objetos de arte sacra e imaginária oitocentista procedentes de várias cidades de Minas.

O Museu Regional de São João del-Rei está localizado na Rua Marechal Deodoro, 12 – Centro, São João Del Rei – MG. Mais informações aqui.

 

Agendas

Abertura da exposição "Vaivém"

O quê: Abertura da exposição e visita guiada com o curador Raphael Fonseca. A exposição investiga as relações entre as redes de dormir e a construção da identidade nacional no Brasil. Quando a rede – criada por diferentes povos originários ameríndios – passou a ser associada de maneira direta com o território brasileiro e a noção de brasilidade? A exposição caracteriza-se por seu caráter trans-histórico, reunindo artistas de distintos contextos sociais, diferentes períodos e regiões do país, que refletem sobre permanências, rupturas e resistências na representação e nos usos das redes de dormir na arte e na cultura visual brasileiras. A mostra reúne cerca de 300 obras de coleções públicas e privadas, algumas especialmente criadas para o projeto.
Quando: 21 de maio, às 18h30
Onde: Centro Cultural Banco do Brasil - São Paulo (Rua Álvares Penteado, 112 – Centro | São Paulo - SP)
Informações: (11) 3113-3651 ou 3652   |   bb.com.br/cultura

---

Inhotim promove visita temática especial

O quê:  A Visita Temática do Inhotim deste mês aborda o tema da 17ª Semana Nacional de Museus – Museus como Núcleos Culturais: O Futuro das Tradições. O ponto de partida é o território de Brumadinho e suas histórias, a partir do Instituto e dos acervos artístico e botânico. O Educativo Inhotim convida o público a vivenciar os espaços e obras, trazendo narrativas desse território.
Quando: até o dia 29 de maio, às quartas-feiras e finais de semana, das 10h30 às 12h
Onde: saída da recepção do Inhotim (Rua B, 20, Brumadinho – MG)
Informações: (31) 3571-9700

---

Projeto Itinerante do Museu dos Brinquedos – Centro Cultural Salgado Filho

O quê: O Centro Cultural Salgado Filho recebe a exposição do projeto Itinerante do Museu dos Brinquedos, com uma programação diversificada para todas as idades. As visitas serão conduzidas por educadores do Museu dos Brinquedos e, se forem em grupo, devem ser agendadas.  A atividade é gratuita. O projeto Itinerante Museu dos Brinquedos tem o objetivo de ampliar o acesso do público à cultura e educação por meio de diversas atividades como exposição, brincadeiras, oficinas de construção de brinquedos, oficinas formativas para educadores e atrações culturais.
Quando: até o dia 8 de junho
Onde: Centro Cultural Salgado Filho (Rua Ponte Nova, 22 – Salgado Filho | Belo Horizonte - MG)
Informações: (31) 3277-9625

 

Cursos e oficinas

Seminário Internacional de Verão em Museologia (SIEM): "Luta contra o tráfico ilícito de bens culturais: um desafio urgente para o património"

O quê: Este seminário temático é destinado a estudantes avançados ou profissionais iniciantes de nacionalidade estrangeira. Organizado no verão, destina-se a fornecer treinamento adicional nas áreas de museologia (mediação, exposição, conservação, restauração ...) com módulos de aulas teóricas, mesas redondas, reuniões com profissionais e pesquisadores, retransmitidos por visitas a sites e museus.
Quando: 28 de agosto a 6 de setembro de 2019 – inscrições até 01 de junho
Onde: Paris
Informações: http://www.ecoledulouvre.fr/international/seminaires-internationaux/siem

---

Identificação Técnica das Obras de Arte - Ferramentas Tecnológicas na Pesquisa de Arte

O quê: O curso objetiva fornecer aos alunos informações técnicas de identificação de obras de arte. Listar os procedimentos e estudos possíveis para a determinação da autoria das peças de arte e apresentar o impacto das novas tecnologias e o relacionamento interdisciplinar na pesquisa profissional. O curso não habilita o aluno a fazer perícias em arte, mas oferece conhecimentos técnicos para posterior especialização no assunto.
Quando: 07 e 08 de junho
Onde: Brasília
Informações: www.institutoinpeg.com

---

5º Fórum Catarinense de Museus

O quê: organizado pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC), por meio da coordenação do Sistema Estadual de Museus de Santa Catarina (SEM/SC), em parceria da Fundação Lagunense de Cultura, o Fórum reunirá profissionais de museus, gestores públicos de cultura, educação, estudantes e interessados na discussão sobre patrimônio museal e a sua relação com a sociedade. Nesta edição, o objetivo é refletir, debater e aprovar o Estatuto Catarinense de Museus. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas preenchendo o formulário disponível clicando aqui.
Quando: de 15 a 17 de julho.
Onde: Laguna - SC
Informações: (48) 3664-2604 | 5forumcatarinensedemuseus@fcc.sc.gov.br | http://cultura.sc.gov.br/forum-de-museus

---

Acervos Culturais Na Rede: perspectivas para os museus e a Museologia

O quê: Organizado pelas coordenações dos cursos de Museologia da UFRGS, UFSC, UFPEL, com o grupo de desenvolvedores do repositório digital Tainacan e apoio dos cursos de Pós-Graduação PPGMUSPA/UFRGS e PPGMP/UFPel o evento visa estimular as discussões acerca das práticas de produção e gestão de acervos digitais e suas possibilidades de articulação em rede, bem como identificar e fortalecer uma rede de parceiros e entusiastas do tema.
Quando: 29 a 31 de maio, das 9h às 17h.
Onde: na Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - FABICO/UFRGS (Rua Ramiro Barcelos, 2705, Auditório 1 – Campus Saúde – Porto Alegre – RS)
Informações: http://memoriamslufrgs.online/acervosculturaisnarede/